Paulo Portas diz que globalização abre espaço para o desenvolvimento

Moçambique 07-12-2017 20:34
Por Antonio Mavila, Maputo
Paulo Portas, antigo vice-primeiro-ministro de Portugal, diz a que a globalização abre espaço para os países e as pessoas pobres melhorarem sua condição, mas para tal, defende o não isolamento das nações através de murros ou fronteiras, pois em globalização, o dinamismo é permanente.

«Em globalização, uma boa ideia transforma-se rapidamente num bom negócio e as boas ideias são substituídas por outros negócios mais depressa».

Portas disse acreditar que África possa dar grande contributo para o mundo, e recorreu a países da Ásia como exemplo de nações que fizeram da globalização um indutor do crescimento, apontando a China.

Falou de reformas, que aliás, considera imprescindíveis para o desenvolvimento de um país. «Só há revoluções quando não há reformas. As reformas são convidativas para os investidores. Se há reformas, nenhuma revolução é necessária».

E lançou críticas às reformas do FMI. «As reformas são permanentes. Não se pode gerar fadiga das reformas, nem considerar que elas estejam feitas». Disse Portas citado pelo jornal moçambicano o País.

Deu o exemplo da Irlanda, que através de reformas fiscais, fixou a taxa do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC) nos 12.5%, o que os possibilitou alavancar sua economia.

«Isso se faz não mudando as leis todos os dias», disse. E alertou para a questão da competitividade dos países. «Ninguém é competitivo em todos os fatores de competitividade», No entanto, defende que é preciso que os países escolham onde apostar e daí, fazerem com que tal escolha represente uma marca para o país.

Na globalização, é essencial ser persistente, pois o imprevisível pode prevalecer, defende, baseando-se no Brexit como exemplo. Paulo Portas esteve em Moçambique a participar no fórum Mozefo.
Ler Mais

Últimas Notícias

ATENÇÃO: Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais